quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Ser pai ...


Ontem participei do programa Mulher.Com da Tv Século 21, falando sobre o dia dos pais. Tomei por base em nossa conversa, um texto que escrevi sobre essa data. O qual transcrevo aqui.
Ao nascer o bebê precisa da mãe para suprir sua vital necessidade que é a amamentação. Em suas outras necessidades o pai pode perfeitamente fazer sua parte. Porém esbarramos em um dilema social que o pai, nos primeiros dias, mal sabe segurar seu filho, quanto mais cuidar dele! Este estigma deve ser mudado, os homens hoje em dia, já conseguem e em muitas vezes com melhor qualidade, realizar tarefas antes dita somente como atividades femininas. Cozinham, costuram, organizam a casa e também realizam os cuidados com seus filhos.
Só que para isso ser bem sucedido, eles precisam vivenciar esse cuidado, eles não tem o instinto materno, eles precisam aprender, e só aprendem fazendo.
Nós mulheres lidamos melhor com os bebês, porque desde meninas fomos estimuladas a segurar bonecas no colo, a brincar de cuidar de um bebe, etc.
Vejo muitas mães com medo de deixar o bebê com o pai, e depois acabam cobrando dele essa atitude do cuidar. Vamos permitir aos homens essas experiências. São positivas para todos. Para o bebê, que terá um contato mais intimo com seu pai, para a mãe que poderá ter alguns momentos de descanso e para o pai que exercerá seu real papel.
Mas e quando os pais se separam? Normalmente a mãe fica com a árdua tarefa de educar e o pai com a deliciosa tarefa de recrear. Isso não é fato. Se antes, enquanto o casal estava junto o pai exercia também uma função cuidadora, na separação ele continuará fazendo isso, mesmo que somente aos finais de semana. Agora se durante o casamento o pai era apenas uma figura coadjuvante na educação dos filhos, na separação a postura dele será a mesma, ou melhor, será sempre o amigo do filhão, pois nunca colocou nenhuma regra e não será agora que isso vai acontecer.
Mães deixem os pais serem mais participativos. Pais queiram participar mais da vida de seu filho em todos os aspectos. Além de tudo isso a figura masculina é muito importante na vida da criança. Em cada fase, tanto menino como menina precisam da presença do pai, da referencia masculina, do relacionamento e do exemplo que somente um pai pode oferecer.
Existem mulheres que optaram pela produção independente, em algum momento da vida dessa criança a ausência do pai virá a tona. Mesmo que a mãe supra todas as necessidades físicas e emocinais.
Aproveito este espaço para desejar a todos os pais muita sabedoria na educação dos filhos, e lembrem-se vocês são exemplos! Parabéns por essa data que deve ser lembrada diariamente.
Um beijo especial para o Vladimir que é o pai dos meus filhos e um lindo exemplo de vida!
Um abraço !

3 comentários:

Caroline disse...

Ah, você é um anjo em inteligência, sempre me ajudando e tendo palavras de alento para todo mundo que se achega perto de ti...obrigada por fazer parte da minha vida, lembro-me como se fosse hoje o dia em que vc me disse, Carol eu estou escrevendo um livro e hoje você venceu, por merecimento próprio, pois é um exímio de mulher, tenho orgulho de ti, além de tudo uma grande AMIGA...um beijo que Deus a abençoe sempre e sempre

Anônimo disse...

Querida Débora,

Lendo o seu texto fico pensando se realmente o REAL PAPEL DE UM PAI é cuidar do bebe. Isto não é contra a natureza? O homen não precisa trocar fraldas e passar talco para dar carinho ao seu filho.
Querer que um pai participe da vida de seu filho acompanhando seus primeiros passos, seus estudos sua formação como pessoa eu concordo, mas quem deve amamentar, trocar fraldas é a mãe.

Beijos

Um amigo

Debora Corigliano disse...

Querido amigo, respeito sua opinião, porém a educação de um filho não pode ser dividida em fases. Ambos, pai e mãe, devem partcipar ativamente de todos os mentos da vida do filho. Além do mais, " cuidar" de um filho é muito bom, seja de que maneira for.
Obrigada por ter escrito!
Um abraço
Debora Corigliano